Cancro da próstata localmente avançado

Apoio

Apoio

Ser diagnosticado com cancro tem um enorme impacto na sua vida e na dos seus familiares e amigos. O cancro pode fazê-lo sentir-se impotente. Pode também causar sentimentos de ansiedade, medo, raiva ou mesmo depressão. O tratamento para o cancro é habitualmente intenso e afetará o seu trabalho, a sua vida social e a sua sexualidade.

Para encontrar apoio, aborde o seu médico ou enfermeiro no hospital, ou pergunte ao seu médico de família. Eles saberão informá-lo sobre organizações de doentes, ou outras, que o possam ajudar com apoio psicológico ou aspetos práticos, como aconselhamento financeiro.

Preparar-se para uma consulta

Preparar-se para uma consulta pode ser muito útil. Pode ajudá-lo a si e ao seu médico a colocar melhor as questões e preocupações existentes. Também pode ajudá-lo a preparar-se para o tratamento e para os possíveis efeitos secundários. Eis alguns pontos que poderá tentar:

  • Escreva as questões que gostaria de colocar ao médico. Isto ajudá-lo-á a lembrar-se de coisas que quer perguntar. Escrever perguntas também o ajudará a organizar os pensamentos.
  • Se puder, leve alguém consigo à consulta. É importante ter alguém com quem discutir o que o médico disse e provavelmente irão lembrar-se de pontos diferentes.
  • Peça informações relacionadas com o seu tipo específico de cancro da próstata.
  • Se o médico utilizar palavras que não entenda, peça explicações.
  • Diga ao seu médico quais os medicamentos que está a tomar e se está a tomar medicamentos alternativos. Alguns destes medicamentos podem afetar o tratamento.

Após a consulta poderá:

  • Pesquisar na Internet ou ir a uma biblioteca para mais informações sobre o seu tipo de cancro. Tenha em mente que nem toda a informação que vê online é de boa qualidade. O seu médico ou equipa de saúde poderão indicar websites de confiança.
  • Contacte uma organização de doentes, pois poderão oferecer apoio e informações.
  • Discuta com a sua equipa de saúde as possíveis consequências financeiras do tratamento. Eles poderão encaminhá-lo para pessoas ou locais onde possa obter conselhos sobre a sua situação económica, ou mesmo ajuda financeira.
  • Se quiser, peça uma segunda opinião a outro especialista.

Como encontrar uma organização de doentes próxima de si

As organizações de doentes podem ser muito úteis. Para encontrar uma próxima de si, pergunte ao seu médico de família, enfermeiro ou médico no hospital. Também poderá pesquisar na Internet um grupo de doentes.

Apoio depois da cirurgia

Nos primeiros dias ou semanas após a cirurgia, poderá necessitar de ajuda nas atividades diárias. Se puder, peça aos seus familiares, amigos ou vizinhos que o ajudem com coisas como comprar comida e trazê-la para casa, cozinhar, limpar, lavar e jardinar. Também pode pedir à sua equipa de cuidados de saúde informações sobre os cuidados domiciliários.

Após a cirurgia, é comum sentir fadiga. Isto significa que se sentirá mais cansado do que o habitual, terá falta de energia, terá problemas em concentrar-se e isto não melhora depois de dormir. A maioria dos doentes apresenta fadiga durante 1-2 meses após a cirurgia. Para lidar com a fadiga, poderá:

  • Escrever as coisas que lhe dão energia e dar-lhes prioridade durante o dia ou semana
  • Obter ajuda com tarefas domésticas como lavar, limpar ou jardinar.
  • Fazer sestas curtas várias vezes durante o dia.
  • Tentar ser o mais ativo possível. Uma curta caminhada diariamente é melhor do que um longo passeio uma vez por semana.
  • Quando planear atividades sociais, como uma viagem ou visita, lembre-se que pode precisar de tempo para descansar durante o dia. Discuta este aspeto com a sua família, amigos ou cuidador para planear estas atividades. É importante dizer-lhes quando se sentir cansado.

A prostatectomia radical pode causar incontinência urinária de esforço (IUE). Isto significa que perde urina durante certas atividades, por exemplo, tossir, rir, correr ou levantar pesos. Aqui estão algumas dicas que o ajudam a controlar os seus sintomas:

  • Tente certificar-se que sabe onde se localiza a casa de banho mais próxima. Nunca sinta medo ou vergonha de perguntar onde se encontra uma casa de banho quando está fora de casa
  • Se tiver problemas com os pingos de urina, poderá utilizar um coletor próprio ou um penso pequeno. Os coletores de pingos de urina são usados sobre o pénis e mantidos no lugar pela roupa interior
  • Invista na prevenção dos odores. Consulte o seu farmacêutico ou médico de família sobre estes produtos
  • Vista roupas escuras. Roupas claras podem mostrar manchas mais facilmente
  • Vista roupas soltas para melhor conforto
  • Tenha sempre disponível uma muda de roupa

Poderá ler mais sobre este tema na secção Viver com Incontinência Urinária da Informação da EAU para Doentes sobre Incontinência urinária.

Outro risco frequente da cirurgia é a disfunção erétil. Existem várias opções para tratar este problema, sendo as mais comuns comprimidos, injeções ou próteses. Discuta com o seu médico qual a melhor opção para o seu caso.

Lidar com IUE ou disfunção erétil após prostatectomia radical pode ser uma tarefa difícil. Estes aspetos poderão ter efeitos psicológicos duradouros. Fale com o seu cirurgião, enfermeiro ou médico de família, para que o possam ajudar a encontrar o apoio que necessita.

Apoio durante a radioterapia

Pode geralmente manter as suas atividades diárias durante a série de radioterapia. O tratamento poderá causar fadiga e afetar o seu trato urinário inferior e os intestinos. Estes sintomas desaparecem geralmente alguns meses após o tratamento.

A sua pele pode ficar afetada pela radiação. Para cuidar dela, poderá:

  • Evitar arranhar ou esfregar a área irradiada
  • Perguntar ao seu médico ou enfermeiro que tipo de loção deve usar para lidar com a irritação cutânea
  • Evitar exposição solar
  • Usar um protetor solar de alta proteção
  • Vestir roupa folgada de tecidos naturais como o algodão e linho
  • Lavar-se diariamente com sabão suave e água morna
  • Secar a pele suavemente após o banho.
  • Evitar sauna.

Apoio durante a hormonoterapia

Todos os tipos de hormonoterapia causam castração, a que o seu organismo pode reagir de diferentes maneiras. Os efeitos secundários mais comuns da castração são os afrontamentos e, para os controlar, o seu médico irá aconselhá-lo a monitorizar o seu peso e a evitar bebidas alcoólicas. Se experienciar afrontamentos, poderá:

  • Vestir-se por camadas
  • Utilizar vestuário de tecidos naturais, como o algodão ou linho, que permitem que o corpo respire
  • Dormir debaixo de camadas de cobertores leves para que possa retirar alguns se necessitar
  • Evitar banhos quentes, saunas ou hidromassagem
  • Evitar comida quente ou picante
  • Beber água em abundância e levar uma garrafa consigo quando sair de casa

Discuta com o seu médico possíveis tratamentos para controlar os afrontamentos ou qualquer outra consequência da castração e dos efeitos secundários da hormonoterapia.

Seguimento

Após o tratamento irá encontrar-se com o seu médico. Nesta consulta, tanto os resultados dos tratamentos como o calendário de seguimento serão discutidos. Peça um plano de cuidados de modo a verificar a regularidade com que precisará de ver o seu médico e quais os exames que necessitará antes de cada consulta. Isto dependerá das características da doença.

Escreva algumas perguntas que possa ter antes da consulta. Exemplos de perguntas que poderá fazer são:

  • O cancro desapareceu?
  • Preciso de tratamentos adicionais? Se sim, que opções são relevantes para mim?
  • Que exames preciso fazer antes das consultas de seguimento?
  • Como é que o tratamento e o cancro da próstata irão afetar a minha qualidade de vida?

É importante manter o seguimento nas consultas. Durante as mesmas, o médico monitoriza o seu estado de saúde e pode detetar uma possível recidiva atempadamente. Também é importante dizer ao seu médico se nota algum novo sintoma que possa estar relacionado com o cancro da próstata. Se notar algum sintoma antes da consulta, não hesite em contactar a sua equipa de cuidados de saúde.

Aconselhamento sobre o estilo de vida

É importante manter um estilo de vida saudável durante e após o tratamento. Tente fazer exercício físico regularmente. Encontre uma atividade que goste de fazer. Se tiver dúvidas sobre o que poderá fazer, peça ao seu médico que o encaminhe para um fisioterapeuta.

Tente manter uma dieta equilibrada que inclua uma mistura de vegetais, frutas e lacticínios. Inclua também alimentos ricos em amido, tais como pão e batatas, arroz ou massa, e ainda alimentos ricos em proteínas como a carne, peixe, ovos ou leguminosas. Tente ingerir menos açúcar, sal e alimentos ricos em gordura. Se tiver algumas dúvidas, peça ao seu médico para o encaminhar para um nutricionista.

Tente parar de fumar. Poderá ajudá-lo a recuperar mais rapidamente após o tratamento.

Apoio psicológico

Após a cirurgia poderá preocupar-se com o seu prognóstico, assim como com o impacto do cancro na sua vida social ou na sua situação financeira, ou outros assuntos.

É normal ficar preocupado com a possibilidade de o cancro regressar. A maioria das pessoas que foi diagnosticada com cancro, ou os seus familiares e amigos, terá provavelmente estas preocupações e pensamentos. Se se sentir preocupado, contacte o seu médico e tente perceber o risco de recidiva do cancro. Também pode consultar o seu médico sobre apoio psicológico se sentir que necessita de falar com alguém. Uma organização de doentes poderá igualmente oferecer apoio.

Estará afastado do seu trabalho durante o tratamento. Fale com o seu patrão sobre a melhor forma de regressar ao trabalho. Talvez possa trabalhar a tempo parcial, ou numa função diferente.

Discuta as possíveis consequências financeiras do seu tratamento com a sua equipa de cuidados de saúde, que poderá direcioná-lo para pessoas ou locais onde possa conseguir aconselhamento sobre a sua situação económica, ou mesmo ajuda financeira.

Os efeitos secundários do tratamento podem tornar difícil a sua participação plena na vida social e económica. As alterações na sua rotina diária resultantes da doença ou do tratamento podem levar ao isolamento. Fale com o seu médico ou enfermeiro. Estes podem ajudá-lo a encontrar o apoio e o tratamento que necessita.

Um diagnóstico de cancro pode fazer com que veja a vida de uma forma diferente e pode aperceber-se que agora tem prioridades diferentes. Isto pode afetar o seu trabalho ou relações e pode também fazê-lo sentir-se desorientado e inseguro. Converse com a sua família e amigos e leve todo o tempo que necessitar para este processo. Se não se sentir confortável em abordar estes assuntos com as pessoas próximas de si, poderá pedir à sua equipa de cuidados de saúde para o encaminhar para um psicólogo. O psicólogo pode dar-lhe as ferramentas para lidar com estes sentimentos e ajudá-lo a perceber as alterações que pretende ou necessita.

O tratamento do cancro pode afetar a sua sexualidade. Sentimentos de depressão e cansaço também podem ter um efeito negativo na sua vida sexual. É importante conversar com o/a parceiro/a acerca destes sentimentos. Existem várias formas de intimidade; se for difícil ser sexualmente ativo, estejam próximos um do outro, toquem-se mutuamente, abracem-se ou, simplesmente, sentem-se ou deitem-se ao lado um do outro.

Apoio para familiares e amigos

O diagnóstico de cancro não afeta somente o doente, mas também as pessoas que o rodeiam. Como ente querido, poderá oferecer apoio de modos diferentes. Por vezes poderá ajudar com coisas práticas como tratar da roupa, jardinagem ou fazer compras.

Também pode ser útil que vão ao médico juntos. Poderá oferecer transporte para a consulta ou ajudar a formular questões para perguntar durante a mesma. presente na consulta também pode bom; poderá lembrar-se de questões diferentes ou focar-se noutros detalhes, que poderão discutir em conjunto mais tarde. Pode também questionar o médico sobre o impacto do tratamento na vossas vidas em termos de prestação de cuidados e de efeitos psicológicos.

O diagnóstico e o tratamento podem ser muito emotivos para todos os envolvidos. O tratamento do cancro é intenso e a sua vida pode mudar de repente. Podem surgir perguntas sobre o prognóstico, efeitos do tratamento e mesmo sobre a possibilidade de morrer. Como amigo ou ente querido, pode estar presente e ouvir. Não precisa de ter as respostas.

Se sentir que necessita de conversar com alguém, procure o seu médico de família ou a sua equipa médica para obter apoio. As organizações de doentes também oferecem apoio aos familiares ou amigos das pessoas que foram diagnosticadas com cancro.

Apoio para as parceiras/os

UM diagnóstico de cancro pode colocar pressão na sua relação. Muitas vezes conversar um com o outro torna-se mais difícil devido ao tempo e energia dispensados no tratamento. Poderá decidir discutir qualquer dificuldade com um terapeuta.

Pode sentir um grau de tensão, raiva e depressão similar ao do seu parceiro. Poderá sentir-se exausta/o, física e emocionalmente. Isto pode ser consequência da responsabilidade de cuidar do seu parceiro e de ter tarefas adicionais em casa. Assegure-se que tem tempo também para si própria/o e que pensa nas suas necessidades e desejos.

O tratamento do cancro do seu parceiro pode afetar a sua vida sexual. Tente falar com ele sobre estes sentimentos. Existem muitas formas de intimidade, tais como estar próximo um do outro, tocarem-se mutuamente, abraçarem-se ou, simplesmente, sentarem-se ou deitarem-se ao lado um do outro.

É normal preocupar-se sobre a possibilidade de ficar sozinha/o. Se sentir que necessita de alguém com quem conversar, procure o seu médico de família ou o seu conselheiro espiritual. As organizações de doentes também oferecem apoio às parceiras/os.